Aventuras da NOCAS

Qual Lara Croft... Qual Indiana Jones... A cada dia uma nova aventura...

terça-feira, agosto 22

Diário das Pérolas do Portugal Profundo

A minha jornada começou em Fátima, terra de milagres, aparições, devoção e muito negócio. Levou-me àquela cidade o casamento de um amigo e deparei-me com a sensação que aquelas gentes andam muito confusas, quiçá promíscuas e desorientadas.

Ora o que me leva a pensar isto foram estas pérolas fotográficas conseguidas por mim própria enquanto por lá passeava:


Importa mencionar que a dita clínica dentária se situa por cima de uma típica loja de santos e santinhas, de crucifixos e velas do tamanho de uma pessoa de estatura média. Muito curioso !



Ora este cartaz está praticamente ao lado do anterior, ora aqui a pessoa escolhe se quer ter um casal gay a tratar-lhe das cavidades dentárias ou 3 meninas juntas com cera quente à mistura.

O domingo seguinte foi dia de fazer a mala monstra que me acompanhou durante 15 dias.

Estação de camionetas de sete rios - destino: Castelo de Vide - duração da viagem: 4 horas. Parámos numa maravilhosa estação de serviço, agora vamos falar verdade, uma espelunca no meio da vila de Mora, com uns sanitários de dar arrepios e uma senhora (simpática, por sinal)com excesso de pelosidade facial, vulgo bigodaça.

Parámos na terra de Alpalhão onde pude assistir ao espectáculo da pérola imigrante, que aqui vos deixo.

Muito importante que haja em Alpalhão alguém que saiba falar francês, mas devagarinho que estamos no Alentejo.

Lá cheguei a Sintra do Alentejo e que vida muito difícil - comer, dormir, piscina, passear e vício: Trivial Persuit. Há que elogiar os magnifícos manjares alentejanos da D. Filomena.

Partimos rumo a Odeceixe onde passámos dois dias de praia espectacular e onde prolongámos o vício, mas desta feita num bar da vila.

Sábado, 100km et voilá (deve ser influência da Fatan) - esta semana resume-se a uma única palavra: o tempo - que treta de tempo que esteve. Fomos à praia todos os dias, nem que voltássemos logo a seguir para casa. Mas a noite, essa sim, KASABLANCA, qual Sasha, qual quê?

Tios e tias, vestidos com roupa de 20 anos mas com rugas de 50 anos. Alguns miúdos à mistura, mas para uma noite divertida é óptimo. E assim se passaram 15 dias...

Atenção, o Sasha é muito giro mas calhou lá ir numa noite em que estavam 14º centígrados e o frio era de rachar, mas sinceramente não é toda aquela coisa que as revistas ou a tv querem fazer.

Estou de regresso, por isso contem com as minhas aventuras novamente ...